24/08/2015

Writing in English



Lately, I have been questioning myself about writing in English:


1. By occasion of the blog's anniversary, I reviewed my own posts. My goal was to identify the posts I enjoy the most, in order to start establishing a purpose for the blog. But it had a secondary effect: I was able to notice plenty of grammar mistakes, which makes me embarrassed on one hand, but quite proud on the other, because one of my purposes to write in English is to recover the fluency I once had and was being lost by lack of use. And being able to spot my own mistakes is a proof of that evolution. Nonetheless, despite this recent editing, I am sure there are plenty of grammar errors remaining on the blog.

2. I wrote a comment on a post that was not clear to the blogger. Not a big deal, but it was a wake-up call: I must be careful with my writing and review it accurately. I don't want to be present on the on-line world making a full of myself.

3. Having resolved to start writing again, wouldn't it make more sense to blog in Portuguese?

4. When I read a Portuguese blog and I spot more than two or three grammar mistakes, I tend to close it and never go back. Yes, grammar issues annoy me.

5. I am aware of the irony here and had these contradictory thoughts in my mind when I stumble upon the following post:

Things that puzzle me ... - IV 
I can't understand why someone, who clearly doesn't have a good command of English, would insist on writing on that language.

I felt she was writing to me. She probably doesn't even know my blog, but I had no doubt she was aiming towards me. Maybe I needed to read that? Maybe I should quit?

But then I remembered something Freda wrote on a post comment: that she is impressed that I can write a blog in English as a way to learn a foreign language. This phrase took over my head:

Few things reveal your intellect and your generosity of spirit — the parallel powers of your heart and mind — better than how you give feedback, (...) especially if the work in question leaves something to be desired.

I bookmarked it so that I can keep it in mind when I'm forced to give an opinion about others people's work, but I recognize it here, applied in practice, by a truly great spirit towards my own insufficiencies.

And in the end, I feel most embarrassed by the realisation of my own small spirit (see #4), than by the actual grammar mistakes I make. I do want to write correctly, but most of all I want to be the better person as I can be.

I thought: this could be easier if we just help each other. I once spot a few grammar mistakes in a Portuguese blog that I enjoy very much. My first instinct: write a private e-mail to the blogger explaining the error and the correct way to do it. I quit the idea, unsure of what the reception would be (and who am I to criticise anyway?). But isn't this supposed to be a community? Shouldn't we be helping each other? I would very much enjoy being corrected, so I can improve.

This is why I added the following disclosure on my about page:

English is not my native language, and my English formal training consists of mandatory English classes in my school days, long ago. I blog in English to improve my fluency in the language, meaning that you're witnessing my efforts and evolutions, that will most certainly include some grammar mess-ups. Please excuse those, and feel welcome to correct them out to me. I take good writing seriously and will value the opportunity to learn from you and correct my mistakes. 
I mean it. From the heart. I will feel honoured if you do so.

13 comments:

  1. Acho muito bem escreveres em inglês para evoluíres nessa língua...Gostava de ter a mesma coragem para o meu Francês! Tenho também a consciência que até em Português damos imensos erros! Às vezes encontro com cada um no meu blog! Mas eu criei o blog também para evoluir a minha escrita. E não é com os erros que nós evoluímos!
    Se conseguir encontrar algum erro venho dizer-te ;) mas vai ser muito difícil pois não domino mesmo na o inglês! Beijinhos

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada pelas tuas palavras, Raquel. Sim, é bem verdade que aprendemos com os erros! Beijinhos

      Delete
  2. Também tenho pensado sobre tal, ultimamente! Confesso que, por vezes, não escrevo um post porque sei que "tenho" que o traduzir... E não gosto nada desta minha linha de (in)acção.
    Quando comecei este blog decidi que também seria escrito em inglês, por duas razões:
    - tal como tu, praticar a língua;
    - e para que não acontecesse a outros (possíveis visitantes de países distantes...) o que já me aconteceu: encontrar um blog cheio de fotografias maravilhosas mas escrito numa língua daquelas que nem dá para adivinhar uma palavra...
    Ainda ando em conversações comigo, mas foi bom ler o teu desabafo. Assim funciona esta comunidade. Obrigada!

    ReplyDelete
    Replies
    1. No inicio ponderei escrever também em português, mas ter de traduzir ia ser uma tarefa difícil...assim obrigo-me a pensar logo em Inglês.
      Já vi alguns blogs só com alguns posts traduzidos (estou a lembrar-me de um de costura, os tutoriais estavam em português e em Inglês, os posts mais pessoais só em português), e outros em que a tradução em Inglês é por vezes mais reduzida, apenas para se perceber os contextos.
      Boas conversações!

      Delete
  3. I think it is brilliant that you write in (very fluent) English. If you didn't I wouldn't have found you :)

    ReplyDelete
    Replies
    1. You're too kind! I wish I had a photo of the Rosa "Freda Anne" for this post :)

      Delete
  4. Tenho passado os ultimos meses traduzindo alguns posts meus para ingles, agora que vim para o Canadá. Tal como tu também não tenho ingles nativo e isso ressente-se. Mas para minha sorte leio tanto em inglês que mesmo sem saber o porque nem quais as regras gramaticais pela teoria oficial, eu sei o que soa bem ou não e isso muda muito!!! Excelente reflexão no teu post!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Faz realmente toda a diferença, Fátima. Também leio bastante em Inglês, mas sem mais contacto com a língua sinto algumas dificuldades! Acho fantástico que consigas ter dois blogues, eu mal consigo escrever para um :)

      Delete
  5. Bem... Só hoje cheguei aqui e confesso que fiquei a sentir-me mal! Não era de todo a minha intenção fazer alguém sentir-se mal com o que escrevi :)

    É, realmente, um acto de coragem escrever numa língua que não a nossa. Bom, na verdade, o simples facto de escrever online já é um acto de coragem! Mesmo na nossa língua, estamos a expôr-nos e a correr o risco de errar e ser criticados. E é preciso estômago para correr esse risco e saber lidar com a crítica!

    Se gostas de escrever em Inglês, se é o que faz sentido para ti, continua :)

    ReplyDelete
    Replies
    1. Agridoce, por favor não te sintas mal com isto. Não fosse eu estar no meio de uma crise existential quando te li (e ter enfiado a carapuça, como se costuma dizer), provavelmente concordaria contigo! Isto teve mais a ver com a minha própria insegurança, e com a forma como eu processo a informação. Li o teu blog e bem percebi que o tom geral é gracioso, fundamentado, não acusatório. O teu post foi uma reflexão que me ajudou a mim na minha reflexão, obrigada!

      Delete
    2. E ainda bem que concluíste que devias continuar em Inglês :)

      Entretanto, reparei que já corrigiste um erro que tinhas e queria deixar-te completamente à vontade para fazeres o mesmo com o meu blogue, como referes no teu post. É uma forma de nos ajudarmos e melhorarmos :)

      Delete
  6. Eu adoro ler-te em inglês! Não encontro erros, falhas, nada. Encontro alma nas palavras :)

    ReplyDelete
    Replies
    1. andorinha, que coisa linda de se dizer! (Fico sem jeito...) Bem-vinda ao meu cantinho, e obrigada!

      Delete